URINOTERAPIA, BEBER XIXI FAZ BEM À SAÚDE? NÃO!

URINOTERAPIA, BEBER XIXI FAZ BEM À SAÚDE? NÃO!

Patrícia de Carvalho Ribeiro, Daniel Mendes Filho, Rodrigo R Resende, Ricardo Cambraia Parreira

Edição Vol. 4, N. 15, 27 de Setembro de 2017

DOI: http://dx.doi.org/10.15729/nanocellnews.2017.09.27.005

Urinoterapia é o nome que se dá ao uso terapêutico da urina, na maioria das vezes realizado por meio da ingestão do próprio xixi (e tem gente que ainda reclama de remédio amargo), embora seu uso tópico também seja bastante encontrado na literatura. Mas, será que realmente funciona?!

Vai um gole aí? É melhor NÃO!

urinoterapia

DO QUE É FEITA A URINA? 

Ela é produzida pelos rins, local onde os compostos residuais obtidos de nosso metabolismo (que são reações de quebra e formação de moléculas, envolvendo processos bioquímicos) presentes no sangue, poderão ser excretados, filtrados ou secretados. O resultado final tem como objetivo a eliminação de substâncias tóxicas, sendo a composição do xixi de 95% água, 2% uréia e 3% demais metabólitos.

A atração e o interesse pela urina remontam há muitos anos atrás, quando acreditava-se que ela não era um produto de excreção do corpo, mas sim uma substância com propriedades valiosas para a saúde. 

A origem da urinoterapia provém da Índia, sendo que registros sobre o assunto podem ser encontrados no Damar Tantra, um antigo texto hindu de 5 mil anos de idade. Os mistérios e o encanto por este tema continuaram desde então e, no século XVIII, em Paris, dentistas até mesmo prescreviam a urina como forma de tratamento para diversas doenças odontológicas. Além disso, na Europa, ela era ingerida como forma de prevenção contra a Peste Negra.

Já, na atualidade, a urinoterapia tem sido bastante discutida e há quem a defenda e quem a condene. O paradigma de que a urina seria um composto estéril e com propriedades terapêuticas é utilizado pelos defensores deste assunto. Acredita-se que milhões de pessoas no mundo sejam adeptas da prática, buscando a cura de diversas doenças, do resfriado comum até a doença de Parkinson, câncer e HIV. Existem, inclusive, diversos livros e sites incentivando esta forma de terapia. Mas, CUIDADO! Não estamos dizendo que beber xixi vá livra-lo de doenças, ainda mais do HIV ou Parkinson e, muito menos, do câncer! Não tem nada de científico nesta pseudoterapia!

Por outro lado, não existem trabalhos científicos que comprovem seus benefícios. Não são encontrados na literatura dados que demonstrem que os metabólitos presentes na urina apresentem valor terapêutico. Inclusive, é possível encontrar evidências de seus malefícios, como o uso de xixi para alívio da dor causada por queimadura de água-viva. Dependendo da diluição da urina aplicada, pode-se piorar a dor. 

Além disso, a urina não é estéril, como acreditava-se, sendo que trabalhos recentes demonstram a presença de bactérias na bexiga de pacientes, mesmo sem presença clínica de infecção do trato urinário. Ou seja, ao se beber xixi ou aplicar localmente sobre enfermidades, pode-se levar um conjunto de micro-organismos para a área afetada e piorar tudo! Como consequência, o paciente apresenta aumento do risco de complicações, através de um possível desenvolvimento de processo infeccioso.

Dessa forma, até que o papel terapêutico da urina seja evidenciado nos estudos científicos, o melhor mesmo é ter cautela e descartar o xixicomo terapia alternativa, assim como nosso organismo o descarta. 

Referências

Thomas-White K, Brady M, Wolfe AJ, Mueller ER. The bladder is not sterile: History and current discoveries on the urinary microbiome. Curr Bladder Dysfunct Rep. 2016 Mar;11(1):18-24.

Savica VCalò LASantoro DMonardo PMallamace ABellinghieri G.Urine therapy through the centuries. J Nephrol. 2011 May-Jun;24 Suppl 17:S123-5.

Vallejo JR, Aparicio Mena AJ, González JA. Human urine-based therapeutics in Spain from the early 20th century to the present: a historical literature overview and a present-day case study. Acta Med Hist Adriat. 2017 Jun;15(1):73-108.

Scientific American [homepage na internet]. Fact or Fiction?: Urinating on a Jellyfish Sting is an Effective Treatment [acesso em 19 de agosto de 2017]. Disponível em: https://www.scientificamerican.com/article/fact-or-fiction-urinating/

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>