Ciência é INVESTIMENTO! Vamos transformar o Brasil em uma Nação rica e forte!

UM NOVO TRATAMENTO POSSÍVEL PARA A CALVÍCIE, CÉLULAS T REGULADORAS FACILITAM O CRESCIMENTO DO CABELO

UM NOVO TRATAMENTO POSSÍVEL PARA A CALVÍCIE, CÉLULAS T REGULADORAS FACILITAM O CRESCIMENTO DO CABELO

Geraldo Magela

Edição Vol. 4, N. 11, 26 de Junho de 2017

DOI: http://dx.doi.org/10.15729/nanocellnews.2017.06.26.003

Os pesquisadores revelam que as células T reguladoras, um tipo de célula imune geralmente associada ao controle da inflamação, diretamente ativam células-tronco na pele para promover o crescimento saudável do cabelo. Sem essas células imunes como parceiras, os pesquisadores descobriram que as células-tronco não podem regenerar os folículos pilosos, levando à calvície.

Nossos folículos pilosos são constantemente reciclados: quando um cabelo cai, uma parte do folículo piloso deve crescer novamente. Acreditava-se que esse processo de regeneração capilar fosse totalmente dependente de células-tronco, mas resulta que as células T regulatórias (células T regs) são essenciais. Se você eliminar esse tipo de célula imune, o cabelo simplesmente não cresce (1). Careca para sempre…

calvice

 

Figura 1: Caricatura com alopecia areata

O novo estudo, liderado pelo prof. Dr. Michael Rosenblum, da UCSF, sugere que defeitos em células T regs podem ser responsáveis pela alopecia areata, uma desordem auto-imune comum que causa perda de cabelo e poderia potencialmente desempenhar um papel em outras formas de calvície, incluindo a calvície masculina. Uma vez que as mesmas células-tronco são responsáveis por ajudar a curar a pele após uma lesão, o estudo levanta a possibilidade de que as células T regs possam desempenhar um papel fundamental no reparo de feridas também (1).

AS CÉLULAS IMUNES ANTI-INFLAMATÓRIAS ATIVAM AS CÉLULAS-TRONCO DA PELE

Normalmente, as células T regs atuam como pacificadoras e diplomatas, informando ao resto do sistema imunológico da diferença entre amigo e inimigo. Quando as células T regs não funcionam de forma adequada, podemos desenvolver alergias a substâncias inofensivas, como a proteína de amendoim ou a caspa de gato, ou sofrer de transtornos auto-imunes em que o sistema imune liga os próprios tecidos do corpo (1) (Figura 2).

calvice-2

 

Figura 2: Folículos pilosos são a base dos cabelos, é a parte da raiz do cabelo, que está dentro da pele. Os folículos pilosos do camundongo e células T reguladoras, que são mostradas como pontos vermelhos.

Como outras células imunes, a maioria das células T regs residem nos gânglios linfáticos do corpo (popularmente conhecidos como íngua), mas algumas vivem permanentemente em outros tecidos, onde elas parecem ter evoluído para auxiliar nas funções metabólicas locais, além de desempenhar seu papel antiinflamatório normal. Na pele, por exemplo, Rosenblum e colegas já mostraram que as células T regs ajudam a estabelecer tolerância imune a micróbios de pele saudáveis em camundongos recém-nascidos e essas células também secretam moléculas que ajudam na cicatrização de feridas na idade adulta (1).

Rosenblum, que é um imunologista e um dermatologista, queria entender melhor o papel dessas células imunes residentes na saúde da pele. Para fazer isso, ele e sua equipe desenvolveram uma técnica para remover temporariamente sd células T regs da pele. Mas quando eles rasparam os pelos desses camundongos para fazer observações da pele afetada, eles fizeram uma descoberta surpreendente (1). Eles rapidamente perceberam que as partes onde os cabelos foram raspados nunca voltaram a crescer, e pensaram: “Hmm, agora isso é interessante’”, disse Rosenblum. “Nós percebemos que deveríamos aprofundar nisso”. Se fosse aqui no Brasil e ele apresentasse um relatório ao órgão de fomento, por exemplo, para a FAPEMIG, no Brasil, eles reclamariam e diriam que a pesquisa não tem nada a ver com a verba para a qual foi financiada. Uma descoberta dessa, como a do prof. Rosenblum, certamente desencadeará milhões em Royalties ao seu financiador. A FAPEMIG, embora não fosse assim na era do Prof. Dr. Mário Neto, após a entrada do governador acusado de corrupção, e que trouxe outros do seu time para comandar a FAPEMIG, atirou no pé da inovação das Minas Gerais. Uma lástima que pessoas tão incompetentes assumam posição estratégica por serem partidários do corrupto governador. É o mesmo que afundou o Brasil com a estória da carochinha do Ciência Sem Fronteiras, ou melhor, Passeie Sem Fronteiras…

Na nova pesquisa, várias linhas de evidência sugeriram que as células T regs desempenhavam um papel no desencadeamento da regeneração do folículo piloso (1).

Em primeiro lugar, as experiências de imagem revelaram que as células T regs têm uma relação próxima com as células-tronco que residem nos folículos pilosos e as permitem regenerar: o número de aglomerados de células T regs ativas em torno das células-tronco do folículo normalmente se expande três vezes à medida que os folículos entram na fase de crescimento de seu ciclo regular de repouso e regeneração (1). Além disso, a remoção de células T regs da pele bloqueou o crescimento do cabelo somente se isso acontecesse nos primeiros três dias após raspar uma parte da pele, quando a regeneração do folículo normalmente seria ativada. Livrar-se de células T regs em períodos posteriores, uma vez que a regeneração já havia começado, não teve nenhum efeito sobre o crescimento do cabelo (1).

O papel de células T regs no desencadeamento do crescimento do cabelo não pareceu relacionado à sua capacidade normal em acabar com a inflamação do tecido. Em vez disso, eles descobriram que as células T regs desencadeiam a ativação da célula-tronco diretamente através de um sistema comum de comunicação de célula-célula conhecido como a via de Notch. Primeiro, a equipe demonstrou que células T regs na pele expressam níveis excepcionalmente altos da proteína de sinalização Notch chamada Jagged 1 (Jag1), em comparação com células T regs em outros lugares do corpo. Eles demonstraram então que a remoção de células T regs da pele reduziu significativamente a sinalização Notch em células-tronco foliculares e que a substituição de T regs por esferas microscópicas cobertas pela proteína Jag1 restaurou a sinalização de Notch nas células-tronco e que a regeneração folicular foi ativada com sucesso (1).

É como se as células-tronco da pele e células T regs tenham evoluído de forma conjunta, de modo que as células T regs não apenas protejam as células-tronco contra a inflamação, mas também participassem do trabalho regenerativo. Agora, as células-tronco dependem totalmente das células T regs para saber quando é hora de começar a se regenerar (1).

RELEVÂNCIA PARA A PERDA DE CABELO AUTOIMUNE

O prof. Rosenblum disse que as descobertas podem ter implicações para a alopecia areata, uma doença auto-imune que interfere com a regeneração do folículo capilar e faz com que os pacientes percam o cabelo em manchas de couro cabeludo, sobrancelhas e rostos. A alopecia está entre as doenças autoimunes humanas mais comuns – é tão comum quanto a artrite reumatoide e mais comum do que a diabetes tipo 1 -, mas os cientistas têm pouca ideia do que a causa (1).

Depois que sua equipe ter observado primeiramente a perda de cabelo em camundongos deficientes em células T reg, Rosenblum descobriu que os genes associados à alopecia em estudos anteriores estão quase todos relacionados às células T regs, e os tratamentos que estimulam a função da célula T reg demonstraram ser um tratamento eficaz para a doença. Rosenblum especula que a melhor compreensão do papel crítico das células T regs no crescimento do cabelo poderia levar a melhores tratamentos para a perda de cabelo e a calvície de forma mais geral (1).

O estudo também acrescenta ao crescente senso de que as células imunes desempenham papéis muito mais amplos na biologia dos tecidos do que antes eram apreciadas. Dr Rosenblum também planeja explorar se as células T regs na pele também desempenham um papel na cicatrização de feridas, já que as mesmas células-tronco do folículo estão envolvidas na regeneração da pele após a lesão (1).

Pensamos nas células imunes estarem entrando em um tecido para combater a infecção, enquanto que as células-tronco estão lá para regenerar o tecido depois que está danificado. Mas o que encontramos aqui é que as células-tronco e as células imunes têm que trabalhar juntas para tornar a regeneração possível. É a ciência básica levando a outro patamar a ciência clínica e aplicada!

Fonte: Pete Farley, UCSF

Referência

1.Ali N, Zirak B, Rodriguez RS, Pauli ML, Truong HA, Lai K, et al. Regulatory T Cells in Skin Facilitate Epithelial Stem Cell Differentiation. Cell. 2017;169(6):1119-29 e11.

O Instituto Nanocell esclarece que quaisquer opiniões dos autores são de responsabilidades dos mesmos e qualquer réplica é aceitável, desde que pautável na verdade.

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>