Ciência é INVESTIMENTO! Vamos transformar o Brasil em uma Nação rica e forte!

UM ALIADO CONTRA AS SEQUELAS DO AVC

UM ALIADO CONTRA AS SEQUELAS DO AVC

Mauro Cunha Xavier Pinto, Rodrigo R Resende

Edição Vol. 3, N. 1, 13 de Outubro de 2015

DOI: http://dx.doi.org/10.15729/nanocellnews.2015.10.13.002

Um novo tratamento para o AVC isquêmico foi aprovado pela American Heart Association e European Stroke Organisation e já pode ser usado em hospitais americanos e europeus.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o acidente vascular cerebral acomete aproximadamente 17 milhões de pessoas no mundo a cada ano, levando a óbito um terço delas e deixando outro terço permanentemente incapacitadas. No Brasil, as doenças cerebrovasculares, que incluem o AVC, são a principal causa de morte e levam para o outro lado 100 mil vidas anualmente. Em 20% dos casos, o AVC é causado pelo rompimento de um vaso sanguíneo no cérebro (AVC hemorrágico), porém na maioria dos casos (80%) o AVC é causado pela obstrução ou interrupção do fluxo do sangue nas artérias cerebrais por um coágulo ou embolo gorduroso (AVC isquêmico).

Screen Shot 2015-10-13 at 4.57.14 PM

Figura 1. Acidente vascular cerebral (AVC).

Nos últimos 20 anos, o único tratamento comprovadamente eficaz para o AVC isquêmico, aquele que interrompe o fluxo do sangue, era feito com o medicamento anticoagulante t-PA (Ativador do plasminogênio tecidual). No entanto, o t-PA deve ser administrado entre 3 a 4,5 horas após o AVC para prevenir o surgimento de sequelas. Esta abordagem reduz o risco de sequelas em 40% dos casos, porém apresenta limitações quando se trata em dissolver grandes coágulos de sangue nas artérias cerebrais.

No último ano, 5 estudos publicados na mais prestigiada revista médica do mundo (New England Journal of Medicine) por grupos independentes dos Estados Unidos e Holanda relatam os benefícios de um novo tratamento para o AVC isquêmico. Os pacientes que receberam este tratamento apresentaram maior grau de independência e recuperação após 90 dias do AVC. A nova técnica, chamada de trombectomia mecânica, pode ser feita até 8 horas após o AVC e pode reduzir até 60% o risco de sequelas graves.

O conceito desta nova técnica é simples e é realizada por meios da inserção de um cateter (stent retriever) através de uma artéria na virilha até a artéria obstruída no cérebro, removendo mecanicamente o coágulo. A inovação está no formato do cateter, que apresenta uma pequena rede em sua ponta. Uma vez que o médico alcança o coágulo no cérebro, a rede é aberta e captura o coágulo, que é removido juntamente com o cateter com ajuda de um equipamento de sucção. Este procedimento evita a morte do tecido cerebral e assim, previne sequelas decorrentes da falta de oxigenação no cérebro (Veja o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=zlQ0E29rB3k)

Ainda é cedo para definir o tempo limite para o uso dos novos cateteres ou se o tratamento inicial com T-PA antes da trombectomia mecânica também possa melhorar o prognóstico dos pacientes com AVC. Por esta razão, o atendimento imediato dos pacientes continua sendo fundamental para evitar as sequelas da isquemia cerebral. Apesar de ser um avanço no tratamento do AVC, esta técnica requer um corpo médico treinado e equipamentos sofisticados disponíveis 24 horas por dia, o que ainda limita o acesso para a maioria das pessoas. No futuro, o treinamento dos médicos e o barateamento da técnica tornará o procedimento mais acessível e reduzirá o impacto do AVC nos pacientes e na sociedade.

Claro, o melhor tratamento é aquele que previne e que não venha a ter o AVC. E para isso é necessários cuidar da alimentação, sem muito sal e sem muita gordura, caminhar pelo menos 5 vezes por semana por 20-30 minutos por caminhada. Com isso reduzirá em muito suas chances de ter um AVC.

Além do mais, nosso grupo vem desenvolvendo kits para diagnóstico e prognóstico para a detecção, seja antecipada, seja na hora, para a classificação de forma fidedigna para os tipos de AVC. Assim, o tratamento pode ser melhor conduzido, com os medicamentos mais adequados, e o acompanhamento do paciente melhor orientado.

Esperamos que haja interesse do governo em apoiar essa iniciativa…

Referências

1. Saver JL, Goyal M, Bonafe A, et al. Stent-retriever thrombectomy after intravenous t-PA vs. t-PA alone in stroke. N Engl J Med 2015;372:2285-95.

2. Campbell BCV, Mitchell PJ, Kleinig TJ, et al. Endovascular therapy for ischemic stroke with perfusion-imaging selection. N Engl J Med 2015;372:1009-18.

3. Goyal M, Demchuk AM, Menon BK, et al. Randomized assessment of rapid endovascular treatment of ischemic stroke. N Engl J Med 2015;372:1019-30.

4. Jovin TG, Chamorro A, Cobo E, et al. Thrombectomy within 8 hours after symptom onset in ischemic stroke. N Engl J Med 2015;372:2296-306.

5. Berkhemer OA, Fransen PSS, Beumer D, et al. A randomized trial of intraarterial treatment for acute ischemic stroke. N Engl J Med 2015;372:11-20.

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>