Ciência é INVESTIMENTO! Vamos transformar o Brasil em uma Nação rica e forte!

REDUZINDO OS CASOS DA HEPATITE C EM ATÉ 80%

REDUZINDO OS CASOS DA HEPATITE C EM ATÉ 80%

Edição Vol. 3, N. 5, 04 de Janeiro 2016

DOI: http://dx.doi.org/10.15729/nanocellnews.2016.01.06.004

Já imaginou que, no prazo de dez anos, o Brasil poderia se ver livre de vez do vírus da Hepatite C? Como? Um simples caso de políticas públicas sérias, com atuação e investimentos sérios dos governos na ampliação em 4 vezes do tratamento efetivo de pacientes com Hepatite C. Mas, não somente de um governo de 4 anos, teriam que ser 3 governos… Por que será que ainda temos uma alta prevalência em Hepatite C?

Medicamentos antivirais de ação direta, recentemente aprovados, transformaram o tratamento para pessoas com o vírus da hepatite C (do inglês, hepatitis C vírus, HCV), mostrando-se eficazes em mais de 90% dos casos. Os antivirais têm o potencial de reduzir significativamente ou eliminar o HCV de duas maneiras: através de um tratamento para evitar complicações e mortes relacionadas com o HCV, e por impedir a propagação da transmissão entre usuários de drogas injetáveis (Figura 1).

 Screen Shot 2016-01-06 at 12.59.19 PM

Figura 1: Uma nova pesquisa da Universidade de Yale mostra que as novas terapias antivirais, aquelas que eliminam os vírus, para a hepatite C poderiam reduzir a prevalência da infecção transmitida pelo sangue em mais de 80%. A descoberta levanta a possibilidade de reduzir consideravelmente, e mesmo eliminar, a hepatite C nos Estados Unidos se maiores esforços no rastreio e tratamento de populações de alto risco. Figura do site http://forum.saude.doutissima.com.br/doutissima/Saude/Homeopatia/homeopatia-curar-hepatite-topico_714_1.htm

O QUE É A HEPATITE C

A hepatite C é uma doença inflamatória causada por vírus, que acomete o fígado; pode gerar na fase crônica insuficiência do órgão e cirrose, por exemplo. Tem a capacidade de permanecer “silenciosa” (sem sintomas aparentes) por cerca de 20 anos (1) e, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), acomete cerca de 170 milhões de pessoas em todo o mundo (2).

Para o tratamento desta doença existem estratégias comumente empregadas como a utilização de telaprevir ou boceprevir somados à peginterferon alfa–ribavirina. No entanto, estes tratamentos disponíveis não podem ser utilizados em alguns pacientes, seja pelo surgimento de reações adversas ou pela ausência de eficácia na obtenção de resposta sustentada no combate ao vírus (3).

A fim de oferecer aos pacientes que não podem ser tratados com as estratégias disponíveis, Sulkowski e colaboradores se dedicaram à busca de um novo tratamento. Os estudos culminaram então na proposta de se aliar daclatasvir e sofosbuvir no combate à hepatite C (4, 5) (para saber mais http://www.nanocell.org.br/hepatite-c-nova-estrategia-terapeutica-para-melhores-chances-de-cura/).

ELIMINANDO A HEPATITE C EM DEZ ANOS

Para estudar os efeitos dos novos tratamentos sobre a população dos Estados Unidos, a equipe da Universidade de Yale, liderada pelo prof. Dr. Jeffrey Townsend, desenvolveu um modelo de transmissão para prever o efeito do tratamento com medicamentos antivirais de ação direta, aqueles medicamentos que atuam diretamente sobre o vírus eliminando-os, ao longo do tempo. Eles também quantificaram o impacto do uso dos antivirais nos tempos atuais, isto é, com as taxas de infecções atuais, e em taxas de rastreio e tratamento melhorados. A análise incluiu resultados tais como, cirrose, transplantes de fígado e mortalidade (6).

A principal conclusão é que um aumento de quatro vezes do número de pacientes tratados a cada ano poderia praticamente eliminar o HCV na população dos pacientes que não fazem uso de drogas ou semelhantes injetáveis ​​dentro de uma década. Aumentos mais modestos em rastreio e tratamento também reduziriam significativamente novas infecções e mortalidades (6).

Será que, aqui no Brasil, os governos têm algum tipo de prevenção estabelecida e tratamento ampliado de pacientes em períodos que não sejam de epidemia? Por exemplo, a Dengue é endêmica no Brasil e nenhum combate sério por parte dos governos é feito, somente gastando-se milhões em propaganda, mas pouca ou nenhuma ação efetiva. Quando o Zika vírus, também transmitido pelo mesmo mosquito da Dengue (Aedes aegypti), apareceu, ele explodiu justamente porque o mosquito da Dengue não está controlado, assim como a Dengue não está. Agora promovem ações para inibir o mosquito…. piada  né! Vamos deixar estourar a bomba que tentaremos dar um jeito… infelizmente, é assim que se faz no Brasil.

Os pesquisadores também observaram que o aumento da triagem e o tratamento por si só não seriam suficientes para reduzir o HCV entre os indivíduos em maior risco de serem infectados – os usuários de drogas injetáveis. A fim de eliminar completamente o HCV, os esforços para se ter acesso a essa comunidade (usuários de drogas injetáveis) são extremamente importantes. Tais esforços podem incluir o rastreamento e um tratamento aprimorado com as novas terapias em combinação com intervenções dos comportamentos dos usuários, tais como programas de troca de agulhas (usando agulhas recicláveis e individuais) ou terapia de substituição de opiáceos, trocando-se a droga (6).

“Devemos ser muito otimistas sobre a perspectiva de eliminação do HCV como uma doença dentro dos EUA usando medicamentos antivirais de ação direta, especialmente se eles são combinados com intervenções comportamentais direcionados para reduzir a transmissão”, disse Townsend. No entanto, devido ao alto custo desses tratamentos atualmente no Brasil (todos os medicamentos são importados e o dólar está nas alturas), como sociedade precisamos pensar cuidadosamente sobre como fazer isso acontecer.

Fonte: Ziba Kashef, Universidade de Yale

Referências

1.ROCHE. O que é a Hepatite C Dplhwrphh.

2.WHO (World Health Organization). Hepatitis C Dplhwwicdhweih.

3.Bronowicki JP DM, Flamm S, et al. Sustained virologic response (SVR) in prior peginterferon/ribavirin (PR) treatment failures after retreatment with boceprevir (BOC) + PR: the PROVIDE study interim results. J. Hepatol. 2012;56:2-6.

4.Sulkowski MS, Gardiner DF, Rodriguez-Torres M, Reddy KR, Hassanein T, Jacobson I, et al. Daclatasvir plus sofosbuvir for previously treated or untreated chronic HCV infection. The New England journal of medicine. 2014;370(3):211-21.

5.Tonelli FCP, Resende RR. HEPATITE C: nova estratégia terapêutica para melhores chances de cura! Nanocell News. 2014;1(11).

6.Durham DP, Skrip LA, Bruce RD, Vilarinho S, Elbasha EH, Galvani AP, et al. The Impact of Enhanced Screening and Treatment on Hepatitis C in the United States. Clinical infectious diseases : an official publication of the Infectious Diseases Society of America. 2015.

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>