web analytics

Daniel Mendes Filho1, Ricardo Cambraia Parreira2

1 Departamento de Fisiologia; Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, universidade de São Paulo (FMRP-USP)

2 Professor do Curso de Medicina do Centro Universitário de Mineiros, Campus Trindade-GO, Brasil

Edição Vol. 8, N. 6, 25 de Junho de 2021

Fonte: © Laurie O’Keefe. Site: https://www.the-scientist.com/features/how-environmental-noise-harms-the-cardiovascular-system-68786?_ga=2.268702329.969748374.1624369804-1790554709.1624369804

E chegou o fim de semana…, mas você não está muito empolgado(a). Para comemorar, seu vizinho coloca a música em volume máximo, fazendo tremer suas janelas (e seus tímpanos). Para fazer coro, operários furam a calçada em frente à sua casa com uma britadeira, ao mesmo tempo em que carros buzinam, os cachorros uivam e crianças começam a chorar. Aposto que você franziu a testa e quase tampou os ouvidos só de imaginar isso. Contudo, provavelmente todos estamos expostos com alguma frequência a esses barulhos – que ao contrário dos sons, nunca são agradáveis e constituem a chamada poluição sonora. Há 100 anos, Robert Koch dizia: “Um dia a humanidade terá que lutar contra o fardo do ruído com a mesma ferocidade da peste e da cólera.”. E essa guerra é bem justificada, pois entre os efeitos nocivos da poluição sonora, temos: prejuízo no comportamento social, irritabilidade, estresse, insônia, prejuízo no aprendizado e até doenças cardiovasculares! (1; 2)

Cientistas têm descrito variados efeitos não auditivos da poluição sonora, os quais são efeitos diretos sobre o sistema nervoso autônomo (que controla desde nosso ritmo respiratório, até o ritmo cardíaco e a digestão), secreção hormonal e regiões cerebrais responsáveis pela memória, comportamento e sono. A hipertensão arterial, bem como outros problemas cardiovasculares, geralmente são resultantes do stress e da insônia causados pela barulheira, a qual pode ter levar a consequências nefastas. Um estudo europeu apontou, inclusive, que parte das pessoas que faleceram durante a noite por ataque cardíaco foram expostas a barulhos 2 horas antes do ataque (3). Ou seja, a poluição sonora foi o gatilho dessas mortes. Mas antes de você sair para comprar um fone antirruído, vamos entender um pouco mais como os barulhos podem causar problemas cardiovasculares.

Voltando a cena do início, com a exposição crônica e persistente ao coro formado pela música alta, britadeira, buzinas de carros, cachorros e crianças, seus níveis sanguíneos de hormônios “do estresse” como cortisol e epinefrina vão para as alturas. Com isso, certamente seu coração estará frequentemente acelerado e sua pressão sanguínea alta, contribuindo para a elevação nos níveis de glicose e colesterol sanguíneos. Isso deixa o sangue mais viscoso (mais “grosso”) e favorece a formação de coágulos. Com o tempo, a exposição constante levará você a se tornar hipertenso(a), ter arritmias cardíacas, ansiedade e depressão. Ademais, você estará constantemente irritado(a) – o que somado à ansiedade e à depressão vai piorar o prejuízo cardiovascular e favorecer a ocorrência de infarto agudo do miocárdio, trombose e acidentes vasculares cerebrais (AVCs) (2).

O prejuízo da poluição sonora quanto à nossa saúde mental e geral é inegável. Ao contrário da poluição do ar, a qual desperta maior atenção das autoridades por afetar tanto saúde quanto meio ambiente, a poluição sonora persiste impune causando estrago tanto na saúde quanto na economia. Só na Europa estima-se que a barulheira leve à perda de 1 trilhão de euros por ano tanto pelos problemas de saúde que causa quanto pela redução na produtividade (2). Até que algo seja feito, só nos resta tampar os ouvidos…

REFERÊNCIAS

1) Stephen A Stansfeld 1Mark P Matheson. Noise pollution: non-auditory effects on health. Br Med Bull. 2003;68:243-57. doi: 10.1093/bmb/ldg033.

2) How Environmental Noise Harms the Cardiovascular System. Disponível em: https://www.the-scientist.com/features/how-environmental-noise-harms-the-cardiovascular-system-68786?_ga=2.268702329.969748374.1624369804-1790554709.1624369804.Acesso em: 23/06/2021.

3) Apolline Saucy et al. Does night-time aircraft noise trigger mortality? A case-crossover study on 24 886 cardiovascular deaths. European Heart Journal, Volume 42, Issue 8, 21 February 2021, Pages 835–843, https://doi.org/10.1093/eurheartj/ehaa957

admin_cms

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

Anuncie
Seja um parceiro do Nanocell News. Saiba como aqui.

Inscrição Newsletter

Deseja receber notícias de divulgação científica em seu e-mail?

Aqui você irá encontrar as últimas novidades da ciência com linguagem para o público leigo. É a divulgação científica para os brasileiros! O cadastro é gratuito!

Alô, Escolas!

Alô, Escolas! é um espaço destinado ao diálogo com as escolas, públicas e privadas, seus professores e alunos de todas as áreas (humanas, exatas ou ciências) do ensino médio e superior. A seção Desperte o cientista em você traz notícias, dicas de atividades e experimentos para uso em sala. Aqui você encontra também informações sobre a coleção de livros publicados pelo NANOCELL NEWS sobre ciências e saúde, e sobre o Programa Instituto Nanocell de Apoio à Educação.

Edições Anteriores

Curta a nossa página

css.php