web analytics

Jordana Araújo Borges¹, Alessa Cristina Borges de Lima¹, Debora Cristina Ribeiro da Silva¹, Luciana Amaral Garcia¹, Fabrícia Ramos Rezende²

¹Acadêmica do Curso de Medicina do Centro Universitário de Mineiros- Campus Trindade

² Docente do Curso de Medicina do Centro Universitário de Mineiros- Campus Trindade

Esse artigo foi produzido por alunos do Curso de Medicina da UNIFIMES com o objetivo de promover a divulgação científica para todos

Edição Vol. 8, N. 5, 29 de março de 2021

Figura 1: Câncer de intestino (diferentes estágios em que o tumor invade as camadas do intestino, podendo atingir outros órgãos ou estruturas adjacentes, se não houver um diagnóstico precoce). Fonte: INCA, 2019.

O câncer colorretal (câncer de intestino), também chamado de câncer do colo e reto, é o quarto tipo de câncer mais comum no Brasil, sendo o terceiro mais comum no sexo masculino e o segundo mais comum no sexo feminino, excluindo o câncer de pele. O risco de desenvolver este tipo de câncer está ligado a fatores como: idade igual ou maior a 50 anos, sobrepeso, alimentação não saudável (rica em alimentos processados e pobre em frutas, legumes e fibras), consumo excessivo de carnes vermelhas, uso de álcool e tabaco, e fatores genéticos. Este tipo de câncer desenvolve no intestino grosso, isto é, no cólon ou no reto, porção final do intestino e antes do ânus, e o seu principal tipo é o adenocarcinoma, ou seja, um tumor maligno.

O diagnóstico precoce, no estágio inicial da doença, pode levar a cura, e aumentar a sobrevida do paciente. Portanto, estudos hospitalares recentes, têm mostrado que houve o aumento e uma melhoria da sobrevivência em alguns grupos de pessoas com a doença.

Pesquisadores analisaram dados nos registros dos pacientes que apresentaram câncer de intestino e foram tratados no hospital A.C Camargo Câncer Center (A.C.C.C.C), no período de 2000 a 2013. As análises foram realizadas com base na faixa etária do paciente (abaixo de 49 anos, entre 50 e 74 anos, e acima de 75 anos), em ambos os sexos, com estágios clínicos – I, II, III e IV-, o período para iniciar o tratamento antes de 60 dias e após 60 dias do diagnóstico. Também foram consideradas a localização do tumor (colón direito, colón esquerdo não especificado e retal) e o tipo de tratamento.

Os resultados mostraram que o início do tratamento precoce aumenta a chance de sobrevivência. As pacientes do sexo feminino sobrevivem por mais tempo devido ao maior acesso aos serviços de saúde. E com o aumento da idade, o tempo de sobrevivência diminui, o que pode estar relacionado com o maior risco do surgimento de doenças associadas.

REFERÊNCIAS:

INCA, Instituto do Câncer de Rio Preto. Acesso: Março de 2020. Disponível em: https://incariopreto.com.br/cancer-colorretal-2/. Acesso em: 21/03/2021.

AGUIAR JUNIOR, Samuel et al. Sobrevida de pacientes com câncer colorretal em um Cancer Center. Arquivos de Gastroenterologia, v. 57, n. 2, p. 172-177, 2020.

admin_cms

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

Anuncie
Seja um parceiro do Nanocell News. Saiba como aqui.

Inscrição Newsletter

Deseja receber notícias de divulgação científica em seu e-mail?

Aqui você irá encontrar as últimas novidades da ciência com linguagem para o público leigo. É a divulgação científica para os brasileiros! O cadastro é gratuito!

Alô, Escolas!

Alô, Escolas! é um espaço destinado ao diálogo com as escolas, públicas e privadas, seus professores e alunos de todas as áreas (humanas, exatas ou ciências) do ensino médio e superior. A seção Desperte o cientista em você traz notícias, dicas de atividades e experimentos para uso em sala. Aqui você encontra também informações sobre a coleção de livros publicados pelo NANOCELL NEWS sobre ciências e saúde, e sobre o Programa Instituto Nanocell de Apoio à Educação.

Edições Anteriores

Curta a nossa página

css.php