Ciência é INVESTIMENTO! Vamos transformar o Brasil em uma Nação rica e forte!

MATANDO AS CÉLULAS DE MELANOMA DE FOME

MATANDO AS CÉLULAS DE MELANOMA DE FOME

Edição Vol. 2, N. 12, 18 de Maio de 2015

DOI: http://dx.doi.org/10.15729/nanocellnews.2015.05.19.004

Imaginem só, se uma pessoa fica sem alimento ela pode vir a morrer por inanição, ou morrer de fome de fato. E se a mesma estratégia fosse utilizada com células cancerígenas? Seria possível mata-las sem matar o paciente? É justamente isso que está acontecendo!

Uma nova pesquisa sugere que o câncer de pele do tipo melanoma pode ser controlável desde que não alimente suas células. Com base em sucesso anterior utilizando células de câncer de próstata, cientistas da Austrália mostraram que poderiam parar o crescimento celular, bloqueando as bombas que as células de melanoma usam para adquirir um nutriente essencial para se manterem vivas.

O QUE É O MELANOMA?

O melanoma é tumor maligno originário dos melanócitos (células que produzem pigmento) e ocorre em partes como pele, olhos, orelhas, trato gastrointestinal, membranas mucosas e genitais. Um dos tumores mais perigosos, o melanoma tem a capacidade de invadir qualquer órgão, criando metástases, inclusive no cérebro e coração (1). Portanto, é um câncer com grande letalidade. O melanoma cutâneo tem incidência bem inferior aos outros tipos de câncer de pele, mas sua incidência está aumentando no mundo inteiro. Há diversos tipos clínicos de melanoma, como o melanoma nodular, melanoma lentigioso acral, melanoma maligno disseminado e melanoma maligno lentigo (1).

Embora o câncer de pele seja o mais frequente no Brasil e corresponda a 25% de todos os tumores malignos registrados no país, o melanoma representa apenas 4% das neoplasias malignas do órgão, apesar de ser o mais grave. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), são estimados mais de 6 mil novos casos de melanoma por ano (2).

TIPOS DE MELANOMA

Existem quatro tipos principais de melanoma:

  • O melanoma extensivo superficial é o tipo mais comum. Ele geralmente é plano e irregular, quanto ao formato e à cor, e ocorre em tons diferentes de preto e marrom. Ele pode se manifestar em qualquer idade ou região do corpo e é mais comum em pessoas de pele branca.

  • O melanoma nodular geralmente começa como uma área elevada de cor preta azulada ou vermelha azulada. Entretanto, alguns melanomas não apresentam cor alguma.

  • O melanoma lentigo maligno geralmente ocorre em idosos. Ele é mais comum em peles danificadas pelo sol na região do rosto, do pescoço e dos braços. As áreas de pele anormal geralmente são grandes, planas e têm aspecto bronzeado com áreas marrons.

  • O melanoma lentiginoso acral é a forma menos comum de melanoma. Ele geralmente ocorre nas palmas, solas ou embaixo das unhas e é mais comum em afroamericanos.

DEIXANDO AS CÉLULAS FAMINTAS

Ainda é muito cedo para se dizer que em humanos funcionará de forma perfeita, já que o método foi testado primeiramente em células cultivadas em laboratório. Mas os pesquisadores, do Instituto Centenário de Sydney e da Universidade de Sydney, esperam que a descoberta levará a novas drogas que controlam uma variedade de cânceres, incluindo o melanoma (3). Outras estratégias podem ser utilizadas para endereçar a “fome” exclusivamente às células cancerígenas, como utilizando nanomateriais (4-6) (veja mais em http://www.nanocell.org.br/eliminando-o-cerebro-degenerado-com-nanoparticulas-magneticas/).

Enquanto o melanoma é o câncer de pele menos comum, ele é o responsável por mais mortes. Na Austrália, é o terceiro câncer mais comum. A Austrália também tem a maior taxa de melanoma no mundo.

A Sociedade Americana para o Câncer (American Cancer Society) estima que, em 2014, cerca de 76.100 americanos descobriram que têm melanoma e cerca de 9.710 morreram da doença (7).

BLOQUEANDO A BOMBA DE GLUTAMINA NAS CÉLULAS DE MELANOMA FAZ ELAS PARAREM DE CRESCER

As células normais dependem de glicose para abastecer suas necessidades energéticas, para que possam crescer e se dividir. No entanto, o melanoma e outras células cancerosas dependem do aminoácido glutamina para crescerem, que o sugam através de bombas espalhadas sobre a sua superfície celular (Figura 1).

melanoma-fome

Figura 1: Quando as células cancerígenas não são alimentadas, elas morrem literalmente de fome e o câncer interrompe sua progressão.

Neste novo estudo, o professor Dr. Jeff Holst, líder do projeto, e seus colegas descobriram que as células de melanoma têm mais bombas de glutamina em sua superfície e que, quando eles bloquearam essas bombas, as células do câncer pararam de crescer.

Eles demonstraram com sucesso isto usando células cultivadas em laboratório e um composto chamado BenSer, que é conhecido em bloquear o tipo de bomba de aminoácidos que era seu alvo. Eles observam em seu estudo:

Tanto a proliferação celular, que é o aumento no número de células, quanto a progressão do ciclo celular, que são os passos que as células dão para se dividirem, foram significativamente reduzidos na presença de BenSer em células de melanoma em cultura de células em 2D e 3D, isto é, em células em placas de cultura (2D de duas dimensões) e simulando um órgão (3D, em suporte de três dimensões) (8) (veja mais em http://www.nanocell.org.br/construindo-orgaos/).

Embora o melanoma seja mais passível de cura se detectado precocemente, é muito difícil de se tratar uma vez que tenha se espalhado para o resto do corpo, sofrido uma metástase, uma vez que se desenvolve rapidamente resistência aos fármacos conhecidos. Esta nova descoberta é importante porque uma droga que atua e iniba especificamente a bomba de glutamina nos dará uma abordagem nova e diferente dos tratamentos atuais.

BLOQUEANDO AS BOMBAS DE NUTRIENTES PODE SER UMA NOVA MANEIRA DE SE TRATAR OS DIVERSOS TIPOS DE CÂNCER

Este trabalho está levando a uma nova onda com potencial para desenvolver agentes terapêuticos contra o câncer.

Os pesquisadores estimam que entre 5 a 10 anos se terá uma droga que bloqueia a bomba de glutamina disponível para pacientes com melanoma.

Em 2011, o Dr. Holst e colegas relataram como eles descobriram que poderiam matar de fome células cancerosas da próstata, cortando seu suprimento do aminoácido leucina (9).

Eles demonstraram pela primeira vez este mecanismo de bombeamento de nutrientes em células de cânceres de próstata, e isto parece agora ocorrer em uma ampla gama de tipos de câncer, particularmente câncer sólidos, tais como o melanoma, e isso abre a possibilidade de criação de terapias que podem ser usadas para bloquear as bombas de nutrientes em vários tipos de câncer. Uma vez por todas, se for para morrer de fome, que sejam apenas as células cancerígenas!

Referências

1. Resende RR. CÂNCER, UMA VIA SEM SAÍDA? (9º CAPÍTULO). Nanocell News. 2015;2(11).

2. Silva INdCJAGd, Saúde Md. ESTIMATIVA 2014. Incidência de Câncer no Brasil. COORDENAÇÃO-GERAL DE PREVENÇÃO E VIGILÂNCIA ed: Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/Ministério da Saúde; 2014. 124 p.

3. Wang Q, Beaumont KA, Otte NJ, Font J, Bailey CG, van Geldermalsen M, et al. Targeting glutamine transport to suppress melanoma cell growth. International journal of cancer Journal international du cancer. 2014;135(5):1060-71.

4. Goulart VAM, Resende RR. PROTEÍNA CORONA: um desafio para o uso de nanopartículas. Nanocell News. 2013;1(3).

5. Tonelli FM, Resende RR. NANOPARTÍCULAS E UM NOVA ESTRATÉGIA DE TRATAMENTO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 1. Nanocell News. 2014;1(6).

6. Resende RR. ELIMINANDO O CÉREBRO DEGENERADO COM NANOPARTÍCULAS MAGNÉTICAS. Nanocell News. 2015;2(10).

7. Inc. ACS. Cancer Facts & Figures 2014.: Atlanta; 2014. 100 p.

8. Sousa BR, Araújo AR, Resende RR. Construindo órgãos! Nanocell News. 2013;1(1).

9. Wang Q, Bailey CG, Ng C, Tiffen J, Thoeng A, Minhas V, et al. Androgen receptor and nutrient signaling pathways coordinate the demand for increased amino acid transport during prostate cancer progression. Cancer research. 2011;71(24):7525-36.

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>