Ciência é INVESTIMENTO! Vamos tornar o Brasil em uma Nação rica e forte!

EMAGRECENDO COM PROBIÓTICOS

EMAGRECENDO COM PROBIÓTICOS

Daniel Mendes Filho, Rodrigo R Resende, Ricardo Cambraia Parreira

Edição Vol. 4, N. 13, 7 de Agosto de 2017

DOI: http://dx.doi.org/10.15729/nanocellnews.2017.08.07.003

Emagrecer, emagrecer, eis a questão! Como? Comendo bactérias! Veja só como se pode perder peso através de beijos e comendo do mesmo prato que seu amor, magrinho ou magrinha, comem…

Nunca estamos completamente sozinhos. Durante toda a nossa vida um número expressivo de micro-organismos nos acompanha o tempo todo. Seja em nossa pele, nossa boca, nossos intestinos ou em outros lugares do corpo. Os pequenos companheiros de jornada do intestino constituem a microbiota intestinal, que é um conjunto de micro-organismos que habita nossos intestinos sem causar doenças, desempenhando um papel fisiológico importante, envolvendo a digestão de alimentos, absorção de nutrientes, proteção contra bactérias patogênicas e produção de determinadas vitaminas. Além disso, essas bactérias do bem ainda são essenciais para o funcionamento adequado do peristaltismo (que são os movimentos que nosso trato gastrointestinal, os órgãos da digestão, fazem durante a mesma) e – acreditem ou não – ajudam a controlar a ocorrência de inflamações no nosso organismo (Figura 1).

probioticos-emagreca

 

Figura 1: A microbiota intestinal abrange uma infinidade de espécies bacterianas que varia de pessoa para pessoa, dependendo de diversos fatores, como hábitos alimentares e o tipo de parto pelo qual o indivíduo nasceu (normal ou cesareana). A maioria dessas bactérias pertence aos gêneros Bacteroides, Clostridium e Bifidobacterium. (ossoecartilagem.com.br/single-post/2016/09/21/A-RELA%C3%87%C3%83O-DA-MICROBIOTA-INTESTINAL-SOBRE-A-SA%C3%9ADE-HUMANA)

 

Esses são alguns dos motivos do porquê o uso dos antibióticos deveria ser mais restrito: eles prejudicam a microbiota intestinal e, consequentemente, ficamos privados de seus benefícios.

Graças a esses efeitos benéficos muitos produtos propõem-se a fortalecer a microbiota intestinal, sendo, por isso, chamados de probióticos. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) os probióticos são produtos contendo micro-organismos vivos que, quando ingeridos em quantidades adequadas, conferem benefícios à saúde do hospedeiro. Incluem-se entre os probióticos tanto produtos farmacêuticos quanto iogurtes, coalhada, kefir, leite fermentado e outros alimentos contendo bactérias benéficas. 

Além de mais saúde (e da beleza, é claro), tem-se atribuído aos probióticos um efeito emagrecedor. Mas será que fortalecer as bactérias do bem emagrece? E como?

probioticos-emagreca-2

 

A frenesi do emagrecimento

A FRENESI DO EMAGRECIMENTO|

Há muito debate sobre o efeito das bactérias da microbiota sobre o ganho ou a perda de peso. Esse debate é alimentado por evidências contraditórias – alguns cientistas observaram que bactérias da microbiota podem levar ao ganho de peso, outros que elas ajudam a emagrecer. No final das contas, tudo depende da espécie de bactéria que vamos ingerir como um probiótico. Por exemplo, se ingerimos as espécies Lactobacillus gasseri ou Lactobacillus rhamnosus elas podem ajudar na perda de peso. Já se as novas integrantes da nossa microbiota forem Lactobacillus fermentum ou Lactobacillus ingluviei, nossas calças podem ficar mais apertadas.

Uma pesquisa feita por cientistas japoneses em 2015 explica como nossas “microcompanheiras” podem nos ajudar a alcançar a boa forma. Esse estudo foi feito com a espécie Lactobacillus gasseri presente em leites fermentados. Amostras desse leite foram dadas a 30 pessoas. Duas semanas depois esses indivíduos tiveram as fezes analisadas. Comparadas às pessoas que não tomaram o leite fermentado, as que o tomaram excretaram mais gordura nas fezes – o que significa que essa gordura não foi absorvida! E tem mais: há indícios de que o uso de probióticos com Lactobacillus gasseri diminui a circunferência abdominal, o colesterol no sangue e pode estar ligado a menos cólicas menstruais. Que alívio!!

Entretanto, sem querer ser estraga prazeres, temos que lembrar que a ciência progride em passos lentos. A fim de termos certeza dos resultados observados são necessários mais estudos. Por enquanto, uma coisa é certa: manter uma alimentação adequada e fazer exercícios regulares ajuda a manter a boa forma e uma saúde física e mental equilibrada. Depois de se exercitar tome um iogurte, sua microbiota agradecerá.

É a ciência transformando a sociedade e nossas vidas! Invistam em Ciências!

REFERÊNCIAS

Bäckhed FLey RESonnenburg JLPeterson DAGordon JI. Host-bacterial mutualism in the human intestine. Science. 2005 Mar 25;307(5717):1915-20.

Eamonn M M Quigley. Microflora Modulation of Motility J Neurogastroenterol Motil. 2011 Apr; 17(2): 140–147.Published online 2011 Apr 27. doi:  10.5056/jnm.2011.17.2.140.

Lahtinen SJDavis EOuwehand AC. Lactobacillus species causing obesity in humans: where is the evidence? Benef Microbes. 2012 Sep;3(3):171-4. doi: 10.3920/BM2012.0041.

Million MAngelakis EPaul MArmougom FLeibovici LRaoult D. Comparative meta-analysis of the effect of Lactobacillus species on weight gain in humans and animals. Microb Pathog 2012 Aug;53(2):100-8. doi: 10.1016/j.micpath.2012.05.007. Epub 2012 May 24

Festi DSchiumerini REusebi LHMarasco GTaddia MColecchia A. Gut microbiota and metabolic syndrome. World J Gastroenterol. 2014 Nov 21;20(43):16079-94. doi: 10.3748/wjg.v20.i43.16079.

Mekkes MCWeenen TCBrummer RJClaassen E. The development of probiotic treatment in obesity: a review. Benef Microbes 2014 Mar; 5(1):19-28. doi: 10.3920/BM2012.0069.

Akihiro Ogawa, Toshiya Kobayashi, Fumihiko SakaiYukio Kadooka, and Yoshihiro Kawasaki Lactobacillus gasseri SBT2055 suppresses fatty acid release through enlargement of fat emulsion size in vitro and promotes fecal fat excretion in healthy Japanese subjects. Lipids Health Dis. 2015; 14: 20. Published online 2015 Mar 20. doi:  10.1186/s12944-015-0019-0

Thevaranjan NPuchta ASchulz C et al. Age-associated microbial dysbiosis promotes intestinal permeability, systemic inflammation, and macrophage dysfunction. Cell Host & Microbe,doi:10.1016/j.chom.2017.03.002, 2017. 

Leclercq SMian FMStanisz AM et al. Low-dose penicillin in early life induces long-term changes in murine gut microbiota, brain cytokines and behavior.Nat Commun. 2017 Apr 4;8:15062. doi: 10.1038/ncomms15062.

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>