Ciência é INVESTIMENTO! Vamos transformar o Brasil em uma Nação rica e forte!

CÉREBRO DE PASSARINHO TEM MAIS NEURÔNIO QUE DE PRIMATAS…

CÉREBRO DE PASSARINHO TEM MAIS NEURÔNIO QUE DE PRIMATAS…

Edição Vol. 3, N. 12, 27 de Junho de 2016

DOI: http://dx.doi.org/10.15729/nanocellnews.2016.06.29.001

Já ouviram aquela expressão engraçada que, às vezes, é empregada de forma pejorativa, “Oh cérebro de passarinho!” ? Pois é, parece que não tem nada de humilhante, muito pelo contrário. Agora, provado cientificamente, essa expressão será um elogio para a pessoa que o recebe, pois será considerada a melhor dentre seus pares…Por isso, cérebro de passarinho, você tem muito mais neurônio que seu colega primata ao lado! Essa foi mais uma descoberta feita pela neurocientista da Universidade de Vanderbilt, profa Dra Suzana Herculano-Houzel, uma das indicadas para o Prêmio Cientistas e Empreendedor do Ano Instituto Nanocell e palestrante do Congresso em Manaus.

 

Screen Shot 2016-06-29 at 11.34.26 AM

 

Um novo estudo mede sistematicamente o número de neurônios nos cérebros de pássaros, revelando que eles têm significativamente mais neurônios estocados em seus pequenos cérebros do que aqueles que estão alocados em cérebros de mamíferos e até primatas de mesma massa.

Em 2015, a profa Herculano-Houzel demonstrou como ocorre o dobramento do cérebro, levantando novas questões sobre a inteligência entre os animais (Leia mais em COMO O CÉREBRO SE DOBRA (1)). Dessa vez, é a hora da verdade com as aves!

A arara tem um cérebro do tamanho de uma noz sem casca, enquanto o macaco do gênero macaca tem um cérebro do tamanho de um limão. No entanto, a arara tem mais neurônios em seu cérebro anterior ou córtex frontal – a parte do cérebro associada com o comportamento inteligente – do que no macaco.

Esse é um dos resultados surpreendentes do primeiro estudo para medir sistematicamente o número de neurônios nos cérebros de mais de duas dezenas de espécies de aves que variam em tamanho desde o pequeno tentilhão ao emu de seis pés de altura, que descobriram que eles consistentemente têm mais neurônios empacotados em seus cérebros pequenos do aqueles que estão alocados em cérebros de mamíferos ou mesmo primatas de mesma massa.

O estudo fornece uma resposta clara a um quebra-cabeça que neuroanatomistas comparativos vivem lutando para decifrá-lo há mais de uma década: como pássaros com seus cérebros pequenos podem realizar comportamentos cognitivos complexos?

O enigma _ e esse vocês se assustarão, parece que os passarinhos são iguais a nós, primatas humanos! _ foi criado por uma série de estudos iniciados na década anterior, que comparou diretamente as habilidades cognitivas de papagaios e os corvos com as de primatas. Os estudos descobriram que as aves poderiam fabricar e usar ferramentas, usar discernimento para resolver problemas, fazer inferências sobre relações de causa-efeito, reconhecer-se em um espelho e elaborar planos para necessidades futuras, entre outras habilidades cognitivas anteriormente consideradas de domínio exclusivo dos primatas.

AVES POSSUEM NÚMEROS DE NEURÔNIOS SEMELHANTES AOS DE PRIMATAS NO CÓRTEX FRONTAL

Os cientistas ficaram com uma posição de recuo geral insatisfatório: os cérebros aviários deveriam simplesmente ser conectados de uma forma completamente diferente dos cérebros de primatas. Dois anos atrás, mesmo esta hipótese ter sido derrubada por um estudo detalhado do cérebro do pombo, que concluiu que eles são, de fato, organizados em linhas muito semelhantes às dos primatas.

O novo estudo fornece uma explicação mais plausível: As aves podem executar estes comportamentos complexos porque os cérebros anteriores das aves contêm uma grande quantidade de neurônios, mais do que qualquer um tinha imaginado – tantos quantos em primatas de médio porte (2).

A Dra Herculano-Houzel esclarece: “Descobrimos que as aves, especialmente pássaros e papagaios, têm surpreendentemente grande número de neurônios em seu pallium: a parte do cérebro que corresponde ao córtex cerebral, que suporta as mais elevadas funções cognitivas, como o planejamento para o futuro ou encontrar padrões. Isso explica por que eles apresentam níveis de cognição pelo menos tão complexo como os primatas” (2) (Figura 1).

Screen Shot 2016-06-29 at 11.34.36 AM

 

Figura 1: Aves têm números de neurônios semelhante aos de macacos. Resumo gráfico dos resultados do estudo. (Pavel Nemec, Universidade Charles, em Praga)

Isso é possível porque os neurônios em cérebros de aves são muito menores e mais densamente empacotados do que em cérebros de mamíferos, segundo o estudo. Os cérebros de papagaios e aves canoras (que assobiam), por exemplo, contêm cerca de duas vezes mais neurônios do que cérebros de primatas com a mesma massa e de duas a quatro vezes mais neurônios do que cérebros de roedores de massas equivalentes (2).

Não são apenas os neurônios empacotados nos cérebros de papagaios e corvos com uma densidade muito maior do que em cérebros de primatas, mas a proporção de neurônios no cérebro anterior também é significativamente maior (2), segundo o estudo.

Na concepção de cérebros, a natureza tem dois parâmetros com que pode jogar: o tamanho e o número de neurônios e a distribuição de neurônios em diferentes partes cerebrais”, disse Herculano-Houzel “, e em aves encontramos que a natureza tem usado ambos.”

UMA CURIOSIDADE! POR QUE NEM TODAS AS AVES SÃO PÁSSAROS?

“Muitas pessoas acreditam que todas as aves sejam pássaros, mas isso está muito errado, pois todos os pássaros são aves, mas nem todas as aves são pássaros!

As aves são animais vertebrados e endotérmicos (conseguem manter a temperatura do corpo constante), que possuem os membros anteriores (correspondente aos braços em primatas) transformados em asas. Atualmente são conhecidas inúmeras espécies de aves, e todas elas são classificadas em ordens. Mas o que seria uma ordem no reino animal?

Todos os animais de uma classe que possuem características semelhantes são reunidos em um grupo, e a esse grupo damos o nome de ordem. No caso das aves, por exemplo, papagaios, araras, periquitos, maritacas, cacatuas, etc., fazem parte da mesma ordem (ordem Psittaciformes), pois todos eles apresentam características semelhantes, como cabeça larga, pés curtos, bico curvo e muito resistente, etc.

Já as aves que fazem parte da ordem Passeriforme, muito conhecidas como passarinhos ou aves canoras (aves que cantam), reúnem mais da metade de todas as espécies de aves. Nessa família estão reunidas as aves de tamanho pequeno e médio, cujo tamanho do bico varia de acordo com o tipo de alimentação. Todas as aves reunidas na ordem Passeriforme têm o canto melodioso; e somente elas podem ser chamadas de passarinhos.”

E COMO OS DINOSSAUROS SOBREVIVERAM AOS METEORITOS?

Ah, pois é. Por essa aqui você não esperava, mas as aves são descendentes diretos dos dinossauros. 

Um estudo realizado por cientistas da Universidade de Southampton, no Reino Unido, revelou como os imensos dinossauros evoluíram para pássaros. Com base na árvore genealógica detalhada dos dinossauros e dos descendentes de aves, eles descobriram que os animais pré-históricos foram encolhendo durante mais de 50 milhões de anos.

Segundo eles, o ramo dos dinossauros terópodes, do qual fazem parte os tiranossauros, deu origem aos pássaros modernos, pois os terópodes eram os únicos animais que continuaram diminuindo de tamanho (3). 

As aves são resultado dos dinossauros que diminuíram de tamanho ao longo dos anos.

Ser menor e mais leve numa terra com animais gigantes, tendo rápida capacidade de evolução e adaptações anatômicas, fez com que essas aves ancestrais tivessem mais oportunidades de sobreviver, já que tinham como subir em árvores, deslizar e voar. Esta flexibilidade evolutiva ajudou as aves a sobreviver ao impacto dos meteoritos que mataram todos os dinossauros (3), afirma o prof. Dr Michael Lee, líder do estudo.

É, pelo jeito, o cérebro pequenino das aves, porém com mais neurônios com um brutamontes dinossauro, também ajudou a persistir na vida…

Fonte: David Salisbury, Universidade Vanderbilt

Referências

1.Pinto MCX. COMO O CÉREBRO SE DOBRA. Nanocell News. 2015;2(14).

2.Olkowicz S, Kocourek M, Lucan RK, Portes M, Fitch WT, Herculano-Houzel S, et al. Birds have primate-like numbers of neurons in the forebrain. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 2016.

3.Lee MS, Cau A, Naish D, Dyke GJ. Dinosaur evolution. Sustained miniaturization and anatomical innovation in the dinosaurian ancestors of birds. Science. 2014;345(6196):562-6.

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>